Criado há um ano, o Comitê Permanente de Desenvolvimento Econômico e Social (CP10) da Associação Comercial, Industrial e de Prestação de Serviços de João Monlevae (Acimon) se consolida como importante ferramenta para ações que visem o desenvolvimento e a melhoria de João Monlevade, a partir de diversas áreas. O Comitê é formado por representantes da sociedade civil e fomenta ações que pensam o futuro do município.

Dividido em sete Câmaras Técnicas, o CP10 reúne representantes de 28 entidades, empresas e instituições locais. O trabalho é voluntário e aberto àqueles que queiram contribuir nas seguintes áreas temáticas: Posicionamento e Fortalecimento; Programa Permanente de Qualificação; Bem-Estar Arte e Cultura: criar agenda integrada e memória cultural, criar um festival de inovação e criar um festival de produto artesanal e gastronômico; Sustentabilidade Ambiental; Novos Mercados; Programa de Governança Local e Programa de Inovação.

Confira entrevista com o presidente da entidade, David Roosevelt Júnior sobre os avanços, debates e importância do CP10 para a comunidade:

O CP10 completa um ano de atuação, mas muita gente ainda não conhece esse importante Comitê. Qual é o papel do CP10 junto à comunidade?
Iniciamos os trabalhos há um ano com objetivos nobres e inspirados na tentativa de tratar as diversas faltas que a cidade de João Monlevade sempre reclamou por meio de diversos setores. O papel do CP10 é dar voz e espaço para o desenvolvimento social e econômico que está reprimido nos discursos das rodinhas de boteco, nas conversas de família, na revolta dos empresários e nas tensões pré-eleitoreiras. A Acimon encabeçou a iniciativa com a estratégia primordial de reunir entidades de classe com a representatividade necessária para influenciar um trabalho voluntário e em massa neste sentido.

O primeiro ato levado à comunidade, quatro meses após a aprovação das ações, foi o VIVA Monlevade. Movimento abrangente levando informações de todos os tipos em vários lugares diferentes e gratuitamente. O VIVA Monlevade veio para ficar. Inspirado em movimentos representativos de cidades ao redor do país, a ideia de fundir informação relevante e sociedade visa elevar o espírito comunitário e moldar o comportamento de uma população mais atuante. A divulgação dos eventos foi massiva, mas a participação apurada foi essencialmente dos estudantes das universidades de nossa cidade. Respondendo à pergunta, este projeto foi idealizado especificamente para a comunidade, mas que realmente até então, não se envolveu como esperávamos. Nosso maior desafio com as novas ações traçadas após reuniões de coordenação do projeto neste último mês é justamente criar maneiras mais diretas para envolver a comunidade, que é exatamente quem mais se beneficiará de tudo isto.

Quais foram os avanços da criação do Comitê para João Monlevade?
Pessoalmente, acho que o principal avanço até então foi a construção da certeza de que não existe uma cidade forte com uma sociedade fraca. Precisamos nos fortalecer e nos envolver para transformar.

A união de entidades e instituições focadas no desenvolvimento local é o caminho?
Eu pessoalmente acredito que são sempre o empresariado e a sociedade civil organizada que propiciam desenvolvimento sustentável em qualquer ecossistema.

Qual é o papel de cada uma das Câmaras técnicas para atingir os objetivos do CP10?
Uma câmara técnica é a subdivisão dos membros participantes e o espaço específico para a discussão e proposição de soluções para temas aprovados. O papel das câmaras técnicas é alocar os participantes do projeto em áreas de atuação específicas para que trabalhem com o tema de maior interesse. As câmaras se reúnem autonomamente e resultados são apresentados mensalmente nas reuniões de coordenação.

De que forma o CP10 pode contribuir para uma Monlevade melhor?
A disposição de tempo crítico pela sociedade civil organizada para discutir temas relevantes e cotidianos de nossa cidade, unido à presença efusiva das universidades (formada por mestres e alunos sedentos por espaço para resolver problemas com uma mentalidade moderna), é uma combinação prática, democrática e acessível de propor ações inovadoras.Consequentemente isso contribui para uma Monlevade melhor.

Quais os próximos passos da entidade?
Próximo passo do CP10 é a consecução das ações aprovadas pelas câmaras técnicas e criar raízes para um comitê mais autônomo, atuante e presente no dia a dia da comunidade.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário